30 de dez de 2013

Em 2013, virei mulher.

Chegou o momento de fazer o textinho de final de ano para postar nas redes sociais contando quantas vezes sorrimos, choramos, tomamos banho, passamos na mesma rua, torcemos o pé, pegamos resfriado. Então, eu também quero publicar o meu texto, mas para exaltar a singularidade que 2013 foi para mim.

Este foi o primeiro ano para o qual eu não tracei metas, e curiosamente realizei muito mais feitos do que em minha vida inteira. Em 2013, virei mulher. Isso mesmo, virei mulher. 

Eu jamais havia precisado dividir meu salário com ninguém, tampouco contribuir com as despesas de casa. Neste ano, assumi minhas próprias contas, tributos e taxas do governo dos quais sempre ouvi meu pai reclamar. E também entendi o quanto ele ficava puto com a inflação, reajustes de índices de toda a natureza e porcentagens que só fazem subir.

E por falar em pai, finalmente tive minha independência em 2013. Larguei de vez a barra da calça dele. Não foi exatamente como eu havia imaginado, mas foi um grande passo para mim, em milhares de sentidos. 

Neste ano, fiz um pacto com o amor. Considerando que, em 2012, eu já havia tatuado uma certa pessoinha em meu coração, em 2013, floreei ainda mais o nome dele dentro do meu peito, para que a beleza dessa arte fizesse transbordar tudo que há de melhor em mim, e nunca o fizesse ir embora. E o mais legal disso tudo é que assumimos juntos nossas próprias contas, tributos e taxas do governo, e juntos passamos a ficar putos com a inflação e o reajuste de índices de toda a natureza.

Virei uma mulher que aprendeu a ouvir verdades boas e ruins, mentiras deslavadas e procrastinadoras, argumentos bem construídos ou baboseiras completamente desmedidas. E também virei uma mulher que escolhe o seu destino, doa a quem doer, e mesmo que doa a esta própria. 

Virei mulher de conseguir manter uma casa limpa e arrumada; de trabalhar fora e dar o máximo de si; de amar gatinhos (sério, nunca pensei que eu pudesse gostar de gatos!!!); de ser a namorada, a amante, a mãe e a companheira; de sonhar com o futuro distante e de planejar dia após dia; de ser a eterna contradição em pessoa; de aspirar próximas viagens pelo mundo; de não ficar só na vontade; de abrir o coração para novas amizades; de parar de me preocupar com a cabeça-durice dos outros; de prestar mais atenção em minha própria cabeça-durice; de idealizar e concretizar.

Neste ano, virei mulher de verdade. Antes tarde do que nunca, é bem verdade... E fui feliz como nem sabia que poderia ser. Que venha 2014 cheio de aventuras e desafios (tá, os desafios financeiros eu dispenso). Estou ansiosa para fazer acontecer tudo outra vez!  ;)

Abraço!

23 de set de 2013

Adoro!!!



Indiretas do Bem também presente neste blog! 

1 de ago de 2013

A maior das qualidades


Não me julgue por meu entusiasmo e sim pelo brilho dos meus olhos
Não podes minha alegria antes de eu ser capaz de suspirar pela segunda vez
Se não queres compreender como é importante para mim, ao menos tente refletir por que eu vejo um lado bom
Deixe tua sensibilidade perceber aquilo que é intrínseco à minha personalidade
Ouve-me com os ouvidos da boa-vontade
Não me atinja com a tua falta de cortesia
Não me cortes com o fio de tua impaciência
Pois é assim conseguirás ver lá no fundo da minha alma e ser digno do meu respeito

A resiliência deve ser teu cartão de visita, e não apenas esse rostinho bonito que tens aí.

16 de jul de 2013

16 de julho

Hoje não é um dia triste para mim, pelo contrário. Hoje é o dia de celebrar o nascimento da melhor mulher do mundo. Uma adorável canceriana que, de tão boa que ela era, o Papai do Céu quis que ela ficasse lá pertinho dele, passados já mais de 25 anos. Ainda lamento demais este fato (a falta que sinto está bem longe de ter se tornado uma saudade gostosa para mim) e não se passa um só dia em que não acontece algo que eu gostaria de ter contado a ela. Contudo, aqui sigo meus passos com a certeza de que ela me acompanhará para sempre.
Mãezinha, meu carinho por ti resultou na mais importante das tatuagens do meu corpo: aquela que está em meu coração. Estou contigo e não abro. Feliz aniversário! Te amo para sempre.

A música abaixo, composta em 1987, te traz à minha memória com uma força estrondante. Depois que pesquisei a fundo, eu descobri o porquê.