27 de out de 2010

Cenas do Cotidiano

Essa eu flagrei na Cidade Baixa, em Porto Alegre, enquanto eu aguardava na fila para entrar numa badalada casa noturna.
Comunicar é preciso, não é mesmo?


Abraço!

22 de ago de 2010

Carteirinha internacional de vacinação - Bora fazer!

Hi, there!

Então, descobri que o meu intercâmbio em Auckland não se realizará se eu não providenciar o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), documento que comprova a vacinação contra a febre amarela e/ou outras doenças. A emissão do CIVP é gratuita e pode ser feita em qualquer Centro de Orientação ao Viajante.

Abaixo, um breve serviço de utilidade pública para quem busca o CIVP: endereços em Porto Alegre e também a documentação necessária para a sua emissão.




• Apresentação do Cartão Nacional de Vacinação preenchido corretamente com: data da administração da vacina, lote da vacina, assinatura do profissional que realizou e identificação da unidade de saúde;

•Apresentação de documento de identidade oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de motorista válida, etc);

•Apresentação da Certidão de Nascimento para menores de idade (a vacina é recomendada para crianças a partir de 9 meses).


Enquanto me aprumo por aqui com os primeiros preparativos para arrumar as malas (faltam apenas 11 dias para o embarque!), sigo compilando informações sobre o meu destino de viagem. A matéria abaixo foi publicada no site da CI.

Enjoy it!

Onde os barcos são mais populares que carros
Publicada em: 04/11/2009

A exuberante baía de Auckland tem uma particularidade especial. Para passear de um lado ao outro da ilha, nada de carro, moto, ônibus ou metrô. O principal meio de transporte se dá pelo mar, que é bastante enfeitado com o colorido das velas dos barcos de diversas nacionalidades.

Os moradores locais são apaixonadíssimos por navegação. Daí o apelido de “Cidade das Velas”, que concentra o maior número de barcos per capita no mundo. Ou seja, em Auckland,há em média um barco para cada quatro habitantes. Isso significa que as embarcações fluviais superam a quantidade de carros em circulação nas vias da região.

Nas marinas de Manaku e de Waite Mata, é possível apreciar todo tipo de barco. De lanchas e veleiros esportivos a iates dignos de reis. Nesses redutos, espalham-se lojas, bares, restaurantes e suvenirs temáticos do universo da vela. Saiba que velejar não é privilégio só de rico. Da movimentada avenida beira-mar Waterfront, o turista tem a oportunidade de dar uma volta de duas horas a bordo de um veleiro de competição, ou até embarcar em um barco-táxi para cortar caminho ou visitar as ilhas vizinhas.

Para fortalecer ainda mais sua fama náutica, a cidade também é sede da regata mundial America’s Cup. Todo ano, veleiros de inúmeros países disputam vento a vento o título do principal campeonato do gênero. O iatismo é um dos esportes mais populares do país e recebe até incentivo do governo para manter a tradição em formar jovens velejadores.

Todo o amor dos aucklanders pelos barcos a vela talvez se explique pela própria origem do lugar, há centenas de anos. Pode ser uma herança dos povos nativos, os maoris, que foram os primeiros habitantes da Nova Zelândia e lá desembarcaram em frágeis canoas vindos de ilhas da Polinésia. Na “Cidade das Velas”, o Museu Marítimo Nacional conta essa e outras histórias imperdíveis dos mares e seus primeiros navegadores.

14 de ago de 2010

Planejamento de viagem

Oi, gente!

Faz tempo que não atualizo o Crônicas, isso nem parece coisa de uma profissional de Comunicação... O fato é que estou empolgada com alguns planos de curto prazo. E o mais importante deles é o intercâmbio na Nova Zelândia.

Um investimento que está na minha lista de prioridades desde março deste ano, quando encarei de frente a necessidade de aperfeiçoar o meu Inglês. Não quero mais ser amadora: vou deixar de ser mais ou menos.

No próximo dia 03 de setembro embarco para Auckland, a cidade dos veleiros, para uma uma experiência certamente inesquecível. Estou em contagem regressiva (quem me acompanha pelo MSN sabe), tomando as providências necessárias para que tudo corra bem. Isso se traduz em documentação, mensalidades, moeda estrageira, roteiros de viagem e, claro, aulas de Inglês.

Enquanto aguardo ansiosa o momento de retroceder um dia no tempo, por conta do fuso-horário, e também durante toda a viagem, vou postando por aqui os preparativos e também as novidades que encontrarei por Aotearoa, traduzida da lingua maori como "A Terra da Grande Nuvem Branca".

See you!

Algumas informações sobre Auckland:
A cidade concentra um terço da população da Nova Zelândia, por isso o mix cultural é enorme. Além disso, curioso é que Auckland tem mais de 50 vulcões adormecidos pela cidade, e literalmente bóia em cima de lava, à alguns quilômetros de profundidade.

Fonte: Portal Oceania





25 de jun de 2010

You won't ever be alone, King of Pop (29/08/1958 - 25/06/2009) II

Há 1 ano, a alegria da turnê mais esperada dos últimos tempos foi substituída pelo pesar da morte do Rei do Pop. Há um ano, morre o astro e nasce o mito.

Lamento demais... #michaeljackson

"Michael tinha a mente de um garoto. Um garoto aparentemente carente, que vivia sozinho na sua própria 'Terra do Nunca'. Uma triste fantasia escondida por detrás de portões gigantes feitos de ouro. Michael não pôde suportar tirarem a sua Neverland".

31 de mai de 2010

Uma ponte para o coração mais doce do mundo

No último domingo estive no hospital em companhia da minha avó, que está internada. A minha velhinha infartou há alguns dias e aguarda cirurgia, no auge dos seus 83 anos. Ontem fui visitá-la e constatei uma realidade que não queria ver: uma luzinha de personalidade cada vez mais fraca; uma palidez que agora ofusca as memórias nítidas e a alegria dos tempos idos.

Dizem que avó é mãe em dobro. Eu digo que é em triplo: ela cuidou de mim por bastante tempo na minha infância, na ausência de minha mãe. A avó que me acordava nas manhãs de inverno do Sul para ir para o colégio, vestindo-me com carinho o uniforme da escola em meio a espreguiçadas; servindo-me com amabilidade o pão quentinho com manteiga derretida antes de chegar o microônibus. Sempre me recordarei disso.

O que me realmente assustou-me foi a branquidão de seu rosto, a frieza de sua pele, a fraqueza de sua voz. Deus, onde foi parar a minha avó linda e loira, com energia para ir aonde bem entendesse, com economias suficientes para encher de presentes os netos, com disposição para acompanhar-me na cervejinha do final de semana? Por que os anos trouxeram para a minha “mãe tripla” manchas em sua pele? Por que os meses diminuíram a vitalidade de seu olhar? Por que os dias a fio roubaram sua energia de viver? Quando é que a vida foi acontecendo e não permitiu que eu não prestasse atenção nestes sinais do tempo?
Aprendi com seus bons e maus exemplos. Observei suas reações. Ouvi suas histórias. Lamentei suas perdas. Ri de suas piadas amarelas. Contei piadas sujas para que ela sorrisse amarelo. Cozinhamos, festejamos, choramos, ouvimos, lemos, dançamos, viajamos, torcemos (sempre, e sempre juntas) para o Grêmio, Aproveitamos o tempo. Talvez menos do que nós quiséssemos ou certamente menos do que eu pude.
A vó é só coração. Isso eu pude aprender com aqueles sinais do tempo que consegui perceber. Aprendi que uma pessoa que não guarda rancor é o ser humano mais lindo que pode existir. Essa é a vó, que sempre fez questão de lembrar-se apenas das palavras doces, que sempre me tratou por “Paulinha”, indistintamente com 05 ou 27 anos.
Vó, FORÇA, BOA-VONTADE, ESPERANÇA foi o que me ensinaste. Agora mostra que sempre estiveste certa.

14 de mai de 2010

Dia da Solidariedade em Porto Alegre

Não deixe de participar! O Rotary Club de Porto Alegre - Moinhos de Vento estará presente. Venha conhecer os nosos projeots.
Mais informações AQUI.



6 de mai de 2010

Sub-celebridades - Não faz sentido!

Achei essa figurinha no Youtube. Não sei que é, nem de onde vem. Não tenho a mínima idéia sobre o que ele já gravou e, ainda assim, não tenho nenhum receio de postar o vídeo abaixo. Adorei.
Felipe, isso faz muito sentido!!!
Abraço!


1 de mai de 2010

Uma parede inteirinha no Opinião que ensina a coreografia de Thriller. Quem me conhece deve imaginar o tamanho do meu delírio ao descobrir isso.
Abraço!















18 de abr de 2010

A Era das Facilidades


O nosso retrato diário no século XXI: colher os frutos da modernidade. Correr sempre de um lado para o outro atrás de limites e prazos que nós mesmos nos impomos (aida que sejam humanamente impossíveis de serem cumpridos). Refletindo sobre isso nas minhas tantas idas e vindas, apelidei minha maneira de viver como "A Era das Facilidades".

O que tivemos após a Revolução Industrial? Profundo impacto no processo produtivo em nível econômico e social, o boom da tecnologia, a inteligência digital adaptada ao nosso cotidiano, o que resultou numa estrondosa evolução em todos os sentidos. Ao longo das últimas décadas, as gerações vêm experimentando essa evolução, consumindo-a e igualmente adaptando-se a ela. A todo momento, admitimos mais e mais equipamentos à nossa disposição, máquinas inventadas e aperfeiçoadas para suprir as necessidade do lar ou do ambiente empresarial, capazes de substituir a mão-de-obra humana, ainda que isso demande grandes investimentos que se pagam em curto ou médio prazo e eliminem uma dor de cabeça para os grandes empresários high-techs.

Então, defendo aqui a minha teoria: a tecnologia nos trouxe à "Era das Facilidades". Consegues perceber o que isso significa? As facilidades nada mais são do que uma ligeira (e maravilhosa!) canalização da tecnologia para o bem-estar e a comodidade do ser-humano. É isso que eu digo, e é este o meu modo de viver. Admiro e acho fundamental até as máquinas exclusivas para o aquecimento de água para o chimarrão. No supermercado, vou direto à prateleira que me oferece a embalagem de leite de caixinha com tampa de rosca, à couve já cortada e embalada, aos tomates em bandeja; ao bolo pronto, aos guardanapos de papel; aos jogos americanos que substituem a toalha da mesa de jantar. O controle remoto do ar-condicionado; o portão eletrônico da garagem; o roteador que permite acesso à internet a partir de todos os computadores existentes lá em casa. Tudo isso é muito maravilhoso! E não me restrinjo aqui apenas à tecnologia em equipamentos, não. Mais importante que isso considero as facilidades nos serviços de que necessitamos e admiro as empresas que têm se adaptado a essa realidade. Porém, parece que estamos indo até num sentido contrário. Para marcar um horário no dentista, quero poder ligar para a central num sábado à tarde e ser atendida. Quero enviar um e-mail de "Fale conosco" a uma instituição pública e receber resposta. Quero entrar numa farmácia e comprar meu produto preferido sem ter que depender de atraso de fornecimento. Quero bons restaurantes perto da minha casa e não apenas nos bairros mais charmosos da cidade. Quero a otimização do atendimento bancário, já que nunca teremos as agências abertas no final de semana, tampouco até às 22h. Quero ter acesso a todas as bibliotecas do mundo, a todos os trabalhos de conclusão, dissertações e teses sem ter que pagar por isso ou ir até lá.

Bem, esta é a minha percepção de facilidades. Sei que algumas delas ainda estão longe de se tornarem uma realidade, mas acredito que nos encaminhamos para isto. Por enquanto, minha percepção preferida de facilidade é não ter que cozinhar. Isso sim é o suprassumo da facilidade e da felicidade. Perto disso, o resto é apenas um detalhe.

Abraço!

30 de mar de 2010

Sin comentarios

O RICKY MARTIN SÓ DIZ QUE É GAY PQ AINDA NÃO ME CONHECEU. GARANTO QUE MUDARIA DE IDÉIA NA MESMA HORA!!!
Abaixo o post oficial da declaração desse pedação de mau caminho:
3/29/2010
En los últimos meses me di a la tarea de escribir mis memorias. Un proyecto que sabia seria uno verdaderamente importante para mi porque desde que escribí la primera frase me di cuenta que seria la herramienta que ayudaría a liberarme de cosas que venia cargando desde hace mucho tiempo. Cosas que pesaban demasiado. Escribiendo este minucioso inventario de mi vida, me acerque a mis verdades. Y esto es de celebrar!
Si existe un lugar que me llena porque estremece mis emociones, es el escenario, es mi vicio. La música el espectáculo, el aplauso, estar frente a un publico me hace sentir que soy capaz de cualquier cosa. Es un tipo de adrenalina y euforia que no quiero que deje de correr por mis venas jamás. Si ustedes, el publico y la musa me lo permiten, espero seguir en los escenarios muchos años mas. Pero hoy la serenidad me lleva a un lugar muy especial, uno de reflexión, comprensión y mucha iluminación. Me siento libre! Y lo quiero compartir.
Mucha gente me dijo que no era importante hacerlo, que no valía la pena, que todo lo que trabaje y todo lo que había logrado se colapsaría. Que muchos en este mundo no estarían preparados para aceptar mi verdad, mi naturaleza. Y como estos consejos venían de personas que amo con locura, decidí seguir adelante con mi "casi verdad". MUY MAL. Dejarme seducir por el miedo fue un verdadero sabotaje a mi vida. Hoy me responsabilizo por completo de todas mis decisiones, y de todas mis acciones.
Y si me preguntaran el dia de hoy ¿Ricky, a que le tienes miedo? Les contestaría - "a la sangre que corre por las calles de los países en Guerra, a la esclavitud sexual infantil, al terrorismo, al cinismo de algunos hombres en el poder, al secuestro de la fe". Pero miedo a mi naturaleza, a mi verdad? NO MAS! Al contrario, estas me dan valor y firmeza. Justo lo que necesito para mi y para los míos, y mas ahora que soy padre de 2 criaturas que son seres de luz. Tengo que estar a su altura. Seguir viviendo como lo hice hasta hoy, seria opacar indirectamente ese brillo puro con el cual mis hijos han nacido. BASTA YA! LAS COSAS TIENEN QUE CAMBIAR! Estoy claro que esto no se supone que pasara hace 5 ni hace 10 años atrás . Esto se supone que pasara hoy. Hoy es mi dia, este es mi tiempo, mi momento.
Que pasara de ahora en adelante? Quien sabe. Solo me puedo enfocar en lo que estoy viviendo ahora. Estos años en silencio y reflexión me han fortalecido y me recordaron que el amor vive dentro de mi, que la aceptación la encuentro en mi interior, y que la verdad solo trae la calma. Hoy para mi el significado de la felicidad toma otra dimensión.
Ha sido un proceso muy intenso, angustiante y doloroso pero también liberador. Les juro que cada palabra que están leyendo aquí nace de amor, purificación, fortaleza, aceptación y desprendimiento. Que escribir estas líneas es el acercamiento a mi paz interna, parte vital de mi evolución. Hoy ACEPTO MI HOMOSEXUALIDAD como un regalo que me da la vida. ¡Me siento bendecido de ser quien soy!
RM

28 de mar de 2010

Ô, Panvel, assim não dá!


Ok, ok, já alisei a Panvel no outro blog do qual participo (leia AQUI), em função da campanha comemorativa dos 238 anos de Porto Alegre. Mas agora sinto-me na obrigação de reclamar pela falta de um produto sensacional das prateleiras desta grande rede de farmácias: o demaquilante Panvel Bifásico Faces Olhos.

Tem quase dois meses que eu entro em quase todas as Panvel com as quais me deparo e peço o tal produto aos atendentes. E o que ouço? "Está em falta e não tem previsão de chegar". Francamente!

É inadmissível que a rede deixe seus clientes tanto tempo sem uma explicação, sem uma "previsão de chegar". O que está em jogo aqui não é minha falta de paciência para com o desfalque de um produto e, sim, a migração instantânea para a concorrência. Já dizem os especialistas que reconquistar um cliente é até oito vezes mais caro do que atrair novos admiradores para a marca. Pois bem, Panvel, preste atenção no que seus clientes dizem, seja diante dos balcões de suas lojas, na blogsfera ou para os atendentes do SAC. Antes que eles digam "Fui".

Abraço!

21 de mar de 2010

Novos ventos atingem o Moinhos Shopping

Costumo freqüentar com certa assiduidade os corredores do Moinhos Shopping, em Porto Alegre, e não pude deixar de fotografar sua nova praça de alimentação especialmente para este post.

A novidade deve-se ao investimento da administradora do Shopping, a Aliansce. Em nota publicada pela zerohora.com em 27/02/10, a empresa garante que nada muda nos negócios com o empreendimento, e comemora o aumento de 19,03% nas vendas de janeiro em relação ao mesmo período do ano passado, neste ano que marca a primeira década do Moinhos.
Quanto à praça de alimentação, as tradicionais mesinhas cederam lugar a ares bem mais modernos: bancadas no estilo americano, com banquetas em couro e ferragem cromada; vigas que foram aproveitadas para compor mesas e bancos mais espaçosos; o local foi revitalizado graças à inclusão de folhagens; vários spots estão presentes em toda sua extenção; e, claro, as inconfundíveis cadeiras com assento de palha agora são parte de um cenário megacharmoso. Contudo, preciso ressaltar que o ambiente ficou ainda mais escuro. Ruim para quem quiser tomar um suco e ler um bom livro, mas ótimo para um encontro mais discreto.
Para quem ainda não conferiu, o Sheraton Hotel também está passando por mudanças radicais. Do hall já presenciamos grandes investimentos não só na arquitetura, mas no próprio "conceito Sheraton de ser". Mas isso é assunto para um outro texto em breve.
Abraço!





9 de mar de 2010

Ok Park Estacionamentos

Flagrei um outdoor muito bacana da OK Park Estacionamentos no cruzamento das avenidas Manoel Elias com Baltazar de Oliveira Garcia, zona norte de Porto Alegre. Nada a ver com layout criativo e grafismos inovadores. Trata-se de uma campanha pró-segurança no trânsito, em especial neste momento de volta às aulas. Achei legal o carinho e a consideração do anunciante para com as nossas crianças.
A Ok Park está de parabéns!

Localizei a Ok Park na João Inácio (Bairro Navegantes) e Rua Antenor Lemos (Bairro Menino Deus).
P.S.: As fotos são minhas, batidas no intervalo da sinaleira. Perdoem se a qualidade estiver ruim.
Abraço!


5 de mar de 2010

Canção da Paz

Encontrei no youtube alguns vídeos da Banda Nego Joe, que faz um som bem bacana e vem tocando direto nas rádios jovens daqui do Rio Grande do Sul. Gostei de uma canção em especial, que diz muito do que eu sinto em relação ao mundo, ao nível de degradação da sociedade nesse momento. Muito legal a mensagem.

Paz, que essa planta cresça mais e mais.

Abraço!

25 de fev de 2010

Bem-vindos ao fim do mundo


Hoje cheguei em casa a tempo de assistir ao Rio Grande Record, típico telejornal do qual pinga sangue da tela da TV toda vez que vai ao ar. Ao mesmo tempo, a cada barbaridade que noticia, sinto-me “protegida” pela sensação de que há poucas coisas no mundo que eu ainda não tenha ouvido falar. Na previsão do tempo, uma promessa da meteorologia: seremos contemplados com mais alguns dias de temperaturas amenas. “Graças ao Pai!”, eu amo o frio. A mulher do tempo anuncia que a sexta-feira amanhecerá com 6°C e a máxima não ultrapassará de 15° da escala Celsius na cidade de Bom Jesus/RS. Bah, não vi mais nada na minha frente. O sangue me subiu à cabeça e eu já comecei a viajar no próximo post do meu blog.
Eu só pensava nisso. É o fim dos tempos, o famoso Apocalipse de que tanto ouvi falar quando estudava em colégio de freiras. Onde é que já se viu uma coisa dessas? 6°C em pleno fevereiro, e no Rio Grande do Sul? O que está acontecendo com o mundo? Onde foram parar aquelas temperaturas detestáveis de verão que ficam cada vez piores até meados de abril? Taí, meados de abril... Outono... Hum, tem alguma coisa errada. E já faz bastante tempo.
Uma breve retrospectiva dos desastres pelos quais o nosso planeta passou em 2009 (por enquanto, vamos considerar apenas o ano passado): de acordo com o Info.abril, o mundo sofreu neste ano o menor número de desastres naturais em uma década, leia-se 245. Destes, 224 foram relacionados com o clima e causaram cerca de 7.000 das 8.900 mortes. A cada dia, abrimos o jornal e nos deparamos com inúmeras matérias sobre desastres que castigam o mundo e tudo que habita sobre e dentro dele:
- o tsunami de 2004, com 150.000 vítimas;
- terremotos na Indonésia, em L’Aquilla, no Haiti;
- ondas de calor na Europa;
- neve que não pára mais no Hemisfério Norte, que aproximou a zero a temperatura na tórrida Flórida no último Natal;
- ciclone em Taiwan;
- chuvarada na Ilha da Madeira.
Para falar de um universo mais próximo do meu dia-a-dia:
- chuvas e enchentes no RS, SC, SP, ES e outros;
- decorrentes barragens rompidas do Chuí ao Piauí;
- desmoronamento em Angra dos Reis;
- tremor em São Paulo.
Estou prendendo-me somente a desastres naturais? Ah, não seja por isso! A humanidade não está mais ameaçada somente pela “Peste Negra”, não. Agora, o negócio é mais embaixo: gravíssimos problemas de saúde pública estão levando milhões à morte.
- Gripe A;
- Dengue;
- o tifo, que vem de brinde com a chuvarada;
- a tuberculose que, apesar dos antibióticos, ainda matam oito milhões de pessoas/ano.
E por aí vai. É lamentável que tenhamos que presenciar tal nível de degradação do ambiente e de nós mesmos, já que somos parte dele. Permitimo-nos chegar a este ponto e, ainda assim, eu, por exemplo, continuo a rir quando leio que os paíse mais poluidores recusam-se a assinar o Protocolo de Kyoto. O que efetivamente faria a diferença a essas alturas do campeonato?


Abraço e até a próxima, se o mundo não acabar antes disso.

17 de fev de 2010

Ninguém merece!


Um brinde às pedras soltas em todas as calçadas esfarrapadas do Centro de Porto Alegre. Elas fazem a alegria dos pobres deficientes visuais, dos velhinhos com dificuldade de locomoção e das moçoilas que andam de salto para lá e para cá.

Ô, saco!

11 de fev de 2010

Ligeiro desabafo

É engraçado como a gente batalha para ser cada dia melhor, em todos os sentidos, e acaba caindo um baita tombo quando se dá conta de que as coisas sempre ficam na mesma. Na verdade, a impressão que dá é de que elas estão e vão continuar na mesma para sempre.
Entendo que, à medida em que a gente se especializa, abraça uma causa, toma para si um desafio e vai em busca de dar conta dele, não pode mais se contentar com tapinha nas costas ou com elogios esporádicos. Não! Chega disso! Estou num momento de construção profissional e pessoal, num momento de contar com o mundo para fazer a minha história. O problema é que o mundo não dá conta nem de cuidar dele mesmo, que dirá de dar um empurrãozinho para que as coisas saiam como eu planejo para o meu fututo.
Ok, ok, não vivo num morango, não posso querer que tudo dê sempre certo, mas não é possível que sempre dê errado, francamente!... Qual é o caminho do reconhecimento? Ou melhor: qual é o caminho do reconhecimento financeiro? De nada adianta ouvir "parabéns" por um trabalho bem realizado se no fim do mês as contas "dão um alô". Nesse momento, não são os elogios que as pagam.
Ufa, apenas desabafo aqui, já que ninguém lê mesmo...

Abraço!

9 de fev de 2010

1 de jan de 2010


A frase foi twittada por uma amiga muito querida, e eu a trouxe para o meu blog por dois motivos:

1. Para um post especial de ano novo

2. Para encorajar a mim mesma a realizar os meus principais projetos. Todos urgem e eu não posso mais me esconder atrás da desculpa de não ter dinheiro para nada. Agora é hora de investir.

Feliz ano. Que ele realmente seja dez para todos nós.





Quando alguém te negares um sonho, mostre que és forte para negares tuas lágrimas. Vamos à luta em 2010, rumo às vitórias!